Arquivo da categoria: Campanhas

Enfrentando o Sofrimento Mental na Universidade – parte 2

No texto anterior, da nossa Psicóloga Voluntária Raphaela Ganesha, você leitor pôde ter uma boa noção de como a vida universitária pode ser permeada por percalços e situações difíceis, para as quais muitas vezes a pessoa não possui habilidades e estratégias para lidar com tais dificuldades de forma assertiva. Pensando nisso, ainda no texto anterior, ela começou uma conversa sobre os chamados “Fatores de Proteção”, que são comportamentos, características e aspectos da vida de cada um que auxiliam na prevenção de desfechos negativos diante de situações difíceis. Neste texto quero dar uma atenção especial a alguns sobre os quais que você mesmo pode agir durante a sua vivência universitária, são eles:

Laços sociais

Poder contar com pessoas, sejam da família ou do seu círculo de amizades, possam  ajudar a pensar em saídas e soluções possíveis e saudáveis nos momentos em que você não estiver conseguindo, nas situações mais difíceis, e até podem lhe ajudar a buscar ajuda quando necessário. Conheça seus colegas de sala de aula, tenha pessoas com quem conversar sobre as dificuldades vividas na vida universitária, com certeza há mais pessoas que passam por momentos difíceis também e que juntos vocês poderão pensar em como lidar com toda a pressão, ansiedades, dificuldades nos estudos, responsabilidades e demais questões que se fazem presentes neste momento da vida.

Cuidados com a saúde mental/ estilo de vida saudável

Decidi juntar esses dois, pois acredito que uma coisa influencie diretamente  na outra. Aliás, não sou apenas eu que acredito, mas estudos e pesquisas recentes têm mostrado como esta relação entre estilo de vida saudável e saúde mental estão intimamente ligados. Por isso a dica aqui é tentar organizar, dentro da sua rotina diária, momentos de cuidados com a saúde. Cuidar da alimentação, praticar exercícios, ter um hobbie, fazer uma disciplina optativa de outro curso que te interesse, sair com os amigos para tomar um café e jogar conversa fora, tudo isso e muitas outras coisas são possíveis durante a universidade. Algumas universidades oferecem programas de cuidados com a saúde, procure e se informe sobre o que há de atividades na sua! Pense em como, dentro de suas possibilidades, você pode cuidar da sua saúde!

Capacidade de procurar ajuda

Quando nos sentimos à vontade para falar sobre nossos problemas, podemos buscar ajuda em pessoas que confiamos para solucionar uma situação difícil. Às vezes não é tão simples assim perceber que estamos precisando de ajuda, mas se você perceber que está faltando às aulas, se afastando dos amigos e família, ficando mais irritado(a), sem paciência, dormindo demais ou quase nada, perdendo ou ganhando peso sem fazer algo para isso, é sinal de que você está precisando de ajuda. Além dos amigos, há também serviços especializados que podem ser procurados. Além de clínicas-escola há também serviços que a própria universidade pode oferecer aos alunos, como auxílio pedagógico, auxílio socioeconômico, entre outros. Aqui também vale você se informar sobre o que existe na sua universidade de programas ou diretorias que possam dar auxílio aos alunos.

Autoestima e outros fatores individuais

Também já é sabido que autoestima, autoeficácia, habilidades sociais, entre outras questões mais internas e individuais são fortes fatores protetivos da sua saúde mental. Eles podem ser trabalhados e aprimorados por meio de estratégias diversas, que vão desde cuidados básicos com o bem-estar até psicoterapia. Pense como você está nestes aspectos e se eles mais ajudam ou prejudicam sua saúde mental e, caso avalie que precisa, busque ajuda!

 

Caso você esteja precisando, procure um serviço especializado ou ligue gratuitamente no CVV (188).

Para acessar à listagem de serviços especializados na UnB e no DF, acesse https://unbcaep.wordpress.com/links-uteis/

Anúncios

Enfrentando o Sofrimento Mental na Universidade

A depressão é um dos maiores males presentes na nossa sociedade, e de acordo com a OMS afeta milhares de pessoas. Sabemos que a vida na universidade não é composta apenas de bons momentos, e esse texto vem conversar um pouco com vocês sobre algumas estratégias que podem auxiliar a enfrentar essa etapa complicada na vida de muitos estudantes. É importante que percebam que não estão sozinhos nessa luta, e vocês podem ter o apoio uns dos outros, além do apoio de professores e demais funcionários. Então a grande pergunta é: como podemos identificar e ajudar as pessoas ao nosso redor? Alguns dos sintomas da depressão incluem: perda de energia, isolamento social, alteração no sono, tristeza profunda, dores no corpo, e vários outros que contribuem para a essa sensação de não haver saída.

Durante a nossa vida podemos encontrar uma série de situações que parecem gerar uma enorme bola de neve, e conforme essa bola cresce, parece ficar cada vez mais pesada, dificultando até mesmo nossa movimentação. É como se tudo isso sugasse nossa energia e aos poucos tudo vai perdendo seus sons e cores. Sentir-se assim, muitas vezes é tão angustiante, tão sofrida, que a pessoa em um ato desesperado para fugir dessa situação acaba por agir de forma impulsiva.  

Mas podemos auxiliar esses colegas através dos chamados Fatores de Proteção os quais podem amenizar o peso deste cenário. De acordo com Anderson Pereira (2016), psicólogo da Universidade do Rio Grande do Sul, esses fatores de proteção se encontram no ambiente inserido e nas características pessoais de cada um, como autoestima. Esses dois elementos de acordo com a Doutora e psicóloga Beatriz Parente (2012), englobam religiosidade, vínculos saudáveis e constantes, teste de realidade, capacidade de tolerância ao estresse e outros, entre outras.

Dentro de tudo que foi dito até então, percebemos que precisamos estreitar nossos laços dentro da Universidade, fortalecendo a nossa própria rede de apoio, assim como a de nossos colegas. É importante termos com quem dividir o peso, e até mesmo ter alguém que nos auxilie a perceber a realidade nesses momentos difíceis, em que acabamos por distorcer nossa visão; às vezes, nas dificuldades, simplesmente não conseguimos perceber sozinhos as saídas que existem.

E como podemos intensificar esses laços? Podemos buscar interagir com nossos colegas de sala, buscar hobbies que podem ser oferecidos por outros cursos, podemos buscar conversar com aquele colega que está sempre sozinho, observar melhor nossa forma de lidar com o outro e nossas falas – uma vez que a brincadeira nem sempre pode ser interpretada por todos apenas como algo inofensivo, pois nem sempre conhecemos a história daquela pessoa e as associações que ela irá fazer. Você também pode buscar ter um estilo de vida mais saudável, praticar esportes, ou alguma atividade que lhe dá prazer como pintura, teatro, música. Podemos ainda, buscar ouvir o nosso colega, uma escuta diferenciada, sem julgamentos, a qual essa pessoa se sentirá acolhida e valorizada como ser humano.

Essas medidas são fundamentais, e auxiliam a pessoa que sofre de depressão, mas apenas isso não basta. É necessário que você, ao identificar algum colega com os sintomas, também o aconselhe a procurar um serviço especializado, como clínicas escolas, centros de formação, além da própria rede de saúde, os quais oferecem atendimentos psicológicos, ou mesmo uma clínica que atenda a preço social. Além de tudo que colocamos, não deixe de aconselhar seu colega a procurar psicoterapia, seu apoio e compreensão podem fazer a diferença.

*Raphaela Ganesha – Psicóloga Voluntária no Entrelinhas/CAEP

Caso você esteja precisando, procure um serviço especializado ou ligue gratuitamente no CVV (188).
Para acessar a listagem dos serviços especializados na UnB e no DF, acesse https://unbcaep.wordpress.com/links-uteis/

Outubro Rosa – nós apoiamos essa luta!

Você sabia?

  • O câncer de mama é a quinta principal causa de morte por câncer em geral e a principal causa de morte por câncer em mulheres;
  • Homem também pode ter câncer de mama;
  • Depois do câncer de pele não melanoma, o câncer de mama é o mais incidente na população feminina mundial e brasileira;
  • O nódulo duro e irregular não é a única forma de detecção do câncer de mama, existem outros sintomas como secreção, inversão do mamilo, descamação do mamilo, entre outros, incluindo nódulos nas axilas
Fonte: INCA – http://www2.inca.gov.br

Por essas e outras razões é sempre importante consultar um médico anualmente, podendo assim aumentar as chances de detectar o câncer de forma precoce, o que favorece o tratamento.

Nesse mês o CAEP ganhou uma decoração especial como forma de demonstrar que apoiamos a luta contra o câncer de mama. Origamis cor-de-rosa e frases de conscientização e apoio enfeitaram a nossa sala de espera, também foram distribuídos e laços cor-de-rosa aos que frequentaram o Centro durante a semana passada.

Janeiro Branco – quem cuida da mente cuida da vida. :)

Receita de Ano Novo

Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

**

A virada de ano é um momento em que avaliamos o ano que se passou, o que foi realizado, o que deixamos de fazer, emoções, sentimentos, tudo o que foi vivido. A chegada do novo ano representa um momento de oportunidades e mudanças, criam-se resoluções e metas para o ano que se inicia.

A partir destas ideias, foi criada, atualmente em âmbito nacional, a Campanha Janeiro Branco, com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância do cuidado com a saúde mental.

Amanhã, dia 07/01, às 9:00, no Quiosque do Atleta – Parque da Cidade, será a inauguração oficial da campanha no DF. (maiores informações, clique aqui)

 

#JaneiroBranco o CAEP apoia essa ideia 🙂

janeiro-branco

http://janeirobranco.com.br/

Semana Mundial do Brincar

Entre os dias 22 e 28 de maio deste ano acontece a Semana Mundial do Brincar, uma ação promovida pela Aliança pela Infância, o tema deste ano é “O brincar que encanta o lugar”. O tema escolhido para as atividades de 2016 busca chamar atenção para a necessidade de se abrir espaços para o brincar. A ideia é que famílias, educadores e adultos em geral mantenham e nunca percam o encantamento de seu olhar sobre a infância, que estimulem e propiciem lugar e tempo para a criança brincar. As atividades da Semana são pensadas para que os pequenos possam, com sua criatividade e imaginação, encantar ruas, praças, casas e escolas. (texto retirado do site: http://aliancapelainfancia.org.br/inspiracoes/semana-mundial-do-brincar-2016-uma-acao-encantada/)

foto caep SMB

O CAEP já está quase pronto para começar a próxima semana no clima do brincar! Estaremos participando durante os dias 23 a 25 com atividades lúdicas e interativas, VEM BRINCAR COM A GENTE!

 

Confira nossa programação:

Dia 23/05, segunda-feira:
Dia todo – Intervenções na sala de espera (decoração e ambientes interativos)
Dia 24/05, terça-feira:
Dia todo – Intervenções na sala de espera (decoração e ambientes interativos)
9h – 12h: Jogos e brincadeiras no bolsão lateral do estacionamento do CAEP.
Organização: turma de estágio em atendimento infantil da supervisora Gabriela Mieto.
Dia 25/05, quarta-feira:
Dia todo – Intervenções na sala de espera (decoração e ambientes interativos)
10h – 12h: Mutirão de Origamis (você pode conferir mais informações neste link)
Organização: psicólogas Elisa, Lilian e Camila
15h30 – 16h30: Leitura e reflexão do livro “As minhocas de Sabrina” com a autora Juliana Zancanaro.

 

18 de maio: Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças

Como o próprio título diz, hoje é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças.

Para marcar este dia importante encontramos uma série de vídeos educativos, da campanha “Defenda-se”, voltados para crianças de 5 a 11 anos, os quais servem como instrumento para pais e terapeutas infantis que estejam trabalhando o tema.

A campanha se iniciou na época da Copa de 2014,  pela Rede Marista de Solidariedade (RMS), por meio do Centro Marista de Defesa da Infância, em parceria com a Fundação de Ação Social (FAS), da Prefeitura Municipal de Curitiba, e o Grupo Lumen de Comunicação. A campanha prevê uma série de seis vídeos voltados para crianças, de 5 a 11 anos, com o objetivo de reduzir os índices alarmantes de abuso e exploração sexual de crianças.

 

Campanha de doação de livros, revistas e posters

Com o início do novo semestre estamos abrindo mais uma campanha de doação de material de leitura para o CAEP.

Estamos buscando dois tipos de livros. Para a sala de espera: romances, livros de crônicas e contos, livros de poesia, livros de arte e catálogos de arte. Para a biblioteca interna, de acesso aos alunos e servidores: livros técnicos de psicologia e livros de legislação em temas tangentes à saúde mental.

Estamos buscando também as seguintes revistas:

  • Mente e cérebro,
  • National Geographic
  • Scientific American
  • Superinteressante
  • Nova escola, Educação e revistas similares
  • Saúde
  • Aventuras na história e História viva
  • Arquitetura e construção
  • revistas com técnicas de artesanato e revistas de empreendedorismo

Caso você tenha em casa posters de paisagens, fauna e flora ou posters de obras de arte em bom estado de conservação e queira doá-los para a decoração das paredes do CAEP, também estamos aceitando este tipo de material. Neste caso, peça para falar diretamente com a psicóloga Elisa, da equipe técnica.

Todo material doado passa por triagem antes de ser disponibilizado ao público e recebe nosso carimbo. Materiais não adequados para o nosso contexto, conforme avaliado pela equipe técnica, são repassados para outros locais de doação. Todos os livros de literatura disponibilizados na sala de espera são para livre empréstimo pelos usuários do CAEP. Os livros de arte e revistas são para consulta na sala de espera. Todos os livros técnicos podem ser consultados por alunos, professores e servidores em sala específica.

Informamos ainda que qualquer conteúdo religioso não está sendo buscado neste momento e pode ser melhor aproveitado por outros lugares que também recebem doações.

Agradecemos a colaboração de todos vocês em tornar mais aconchegante e educativo o nosso espaço!