Balanço mídias sociais 2019

2019 1.jpg

 

2019 2.jpg

Fim de ano é época de balanço e ficamos felizes em poder dizer que as mídias sociais do CAEP estiveram presentes na vida de muita gente em 2019. Nosso site teve 25.440 visualizações, sendo 93% do Brasil e 7% de outros 33 países, dos quais se destacam 1521 visualizações dos EUA. Isso que praticamente não tivemos reportagens novas este ano e o site serviu principalmente como repositório de informações já consolidadas.

Em contrapartida nosso instagram cresceu e floresceu. Foram 134 posts que receberam 8126 likes. Fechamos hoje com 1953 seguidores. Por fim, nosso facebook fechou o ano com 1286 seguidores.

Agradecemos o apoio e participação de todos! Esperamos poder fazer mais e melhor ano que vem.

Quem quiser contribuir pode seguir a gente lá no insta e marcar nosso perfil em eventos gratuitos que possam ser divulgados e que tenham a ver com saúde mental. Quem quiser ajudar na construção de materiais para o blog pode buscar no CAEP uma das administradoras do blog/face e insta (mas não dos emails! 😉 – Elisa ou Camila.

Boa entrada de ano a todos nós!

 

O que você deseja para o ano que vem?

Com o fim do ano chegando é natural parar para refletir sobre o ano que passou, quais foram as conquistas e as dificuldades, quais desafios ficam para o ano que vem.

A gente tem essa prática – resoluções de ano novo, lista de objetivos, promessas para o ano que vem. O que acontece que na maior parte das vezes não conseguimos segui-las?

Todo grande objetivo é composto de partes menores. A dica é pensar em detalhes quais são essas partes, em qual sequência elas estão e o que é preciso para alcançar cada uma, tanto em termos de habilidades a serem desenvolvidas, quanto tempo e recursos.

Dessa maneira você consegue montar um mapa de passos menores que precisam ser atingidos para depois atingir o objetivo final. Isso é vantajoso porque você consegue ver o seu progresso mais facilmente, o que ajuda a se manter motivado. É também mais fácil ver o que não está indo bem, e fazer os ajustes necessários.

Para que esse processo tenha maiores chances de dar certo, vão aí algumas orientações:

A meta deve ser específica, detalhada.
Ela deve ser mensurável – é importante você conseguir objetivamente afirmar se foi atingida ou não.
Ela deve ser atingível, ou seja: embora seja um desafio, deve ser realista. Isso implica em avaliar os seus recursos físicos, mentais, financeiros, temporais.
Ela deve ser relevante, ou seja, ser importante e alinhada com o objetivo maior
Ela precisa ter um prazo de execução.
Ela deve ser redigida em algum lugar e não ficar só na cabeça.

Como fica isso na prática? Um exemplo bem simples que ajuda a ilustrar esses passos:

Ao invés de fazer uma resolução do tipo “vou ser mais saudável”, você tem mais chances de conseguir mudar se dizer, por exemplo, “vou comer salada sem molho no almoço pelo menos 3 vezes por semana durante um mês”.

É  possível especificar a meta mais ainda: que tipo de salada, qual a quantidade, ou deixá-la um pouquinho mais geral, mas de qualquer maneira já é um avanço em relação à ideia difusa do saudável. É lógico que esse é um exemplo simplista, mas dá uma ideia do método.

Se isso ainda for muito difícil uma outra forma inicial é pensar na direção geral que se quer ir e depois pensar no menor micropasso que é possível de ser instituído hoje e que vai nessa direção. Por exemplo: digamos que eu queira ser mais sociável e que estou entrando num dos prédios da UnB. O menor micropasso que posso fazer imediatamente é cumprimentar o porteiro do prédio. Isso te mantém na direção geral da mudança que você quer realizar e tem um custo muito pequeno.

E aí, quais são seus desejos e suas metas pro ano que vem?

…….

(Ah, esse tipo de jeito de montar metas é uma das variações das Metas SMART, do inglês: specific, measurable, attainable, realistic e time bound.)

Recursos de saúde para lidar com a pressão do fim de semestre

Moçada! Sabemos que esse momento de fechamento do semestre pode ser ultra punk, com várias provas e trabalhos. Pensando nisso o pessoal do Grupo Entrelinhas separou para vocês alguns apps, sites e indicações de textos que podem ajudar a lidar com a ansiedade e pressão desse momento. Segue a listagem. Tentamos dar ênfase a materiais em português e gratuitos. Lembrem-se sempre de que buscar ajuda é uma forma de cuidar de si.

 

recursos1recursos2recursos3

Práticas em Clínica do Trabalho

Para esta semana, em que temos o feriado do Dia do Trabalho, convidamos o grupo do projeto Práticas em Clínica do Trabalho para escrever um pouco mais sobre a importância do espaço que o grupo oferece a quem vive situações de sofrimento no trabalho. O texto, escrito a seis mãos, é assinado pelo estagiário de psicologia Arthur Veleci, pela Psicóloga Laene Gama e pela Profa. Ana Magnolia Mendes.


Práticas em Clínica do Trabalho

O projeto Práticas em Clínica do Trabalho constrói-se pelo  atendimento clínico individual, referenciado no projeto de pesquisa Escuta Clínica do Trabalho que articula a teoria e a clínica psicanalítica com a crítica social. Tem como propósito construir destinos políticos e éticos para o sofrimento, atuar no tratamento das psicopatologias e nos processos de adoecimento no trabalho.

É realizado na Clínica-Escola CAEP/UnB – Centro de Atendimento e Estudos Psicológicos da Universidade de Brasília por estagiários de graduação e de pós-graduação em Psicologia do Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Social e do Trabalho. Supervisão Clínica: Profa. Ana Magnólia Mendes, Coordenação: Laene Pedro Gama. Contatos: clinicatrabalho@unb.br; +55 (61) 993707480 (wpp).

O trabalho possui diversas definições e, ao longo da história humana, sempre se fez presente. Essa atividade não é apenas uma relação de emprego e salário, ao contrário, possui um papel central para as pessoas. É comum, quando perguntamos a alguém: “quem é você?”, escutarmos a profissão da pessoa como resposta, isso demonstra a importância do trabalho para os indivíduos. O marco da escuta clínica que permeia o presente projeto é o pressuposto de que o trabalho promove uma dupla transformação: o ser transforma a natureza com o seu trabalho e o trabalho transforma o ser, logo o trabalho é formador do ser.

Apesar dessa característica formadora e emancipatória do trabalho, a sociedade tem acompanhado, cada vez mais, diversas queixas relacionadas ao sofrimento na atividade laboral, os profissionais são confrontados com rotinas cansativas, cobranças que vão além do limite, atividades repetitivas e a ameaça do desemprego, é comum que os trabalhadores apresentem uma falta de satisfação com os modos de organização do seu trabalho, a divisão das tarefas, o excesso de controles e prescrições, a falta de autonomia, a opressão, o estilo de gestão e suas escolhas profissionais. Frente a esse cenário o projeto Práticas em Clínica do Trabalho  é destinado a trabalhadores que vivenciam:

Sofrimento pela falta de reconhecimento, de sentido do trabalho, esgotamento emocional (burnout) e estresse, e pelos sentimentos de inutilidade, de aprisionamento, de injustiça e de desânimo;

Danos psicossociais relacionados a sobrecarga, violência e assédio moral, estresse pós-traumático, acidente de trabalho, processo de readaptação funcional, transtornos psicossomáticos e psíquicos relacionados ao trabalho;

Insatisfação com os modos de organização do seu trabalho, a divisão das tarefas, o excesso de controles e prescrições, a falta de autonomia, a opressão, o estilo de gestão e suas escolhas profissionais;

Pode-se acrescentar que essas situações que levam o trabalhador ao adoecimento, muitas vezes são relativizadas pelos próprios gestores ao tentar naturalizar a opressão. O que torna essas figuras que são centrais na organização do trabalho peças dentro de um sistema que reduz o trabalhador ao nada.

Com a busca desenfreada pelo aumento da produtividade, típica do modelo capitalista de produção, o trabalho vem perdendo sua característica formadora para ser substituído por uma atividade cada vez mais “engessadora”, esse modelo voltado para o mercado atinge desde as repartições públicas, que têm lidado com uma constante precarização e sucateamento de sua estrutura, até a consolidação das leis trabalhistas, que vem sendo flexibilizada e com isso os direitos que ela garante vão sendo tirados da população.

Diante dessas condições, a escuta clínica não dá conta de solucionar todas as contradições do sistema de produção capitalista, mas tenta ser um espaço onde o desejo do trabalhador que sofre seja reconhecido e, por meio disso, ele se descubra como um sujeito do desejo e tenha na sua existência ético-política uma possibilidade de tornar-se um sujeito vivo do trabalho.

Reunião Geral de Orientação

Convidamos todos os estagiários e supervisores do CAEP para a Reunião de Orientação, que acontecerá às 14h do dia 22/03/2019 (sexta-feira) no auditório do CAEP.

* A presença na reunião é obrigatória para os alunos que estão ingressando pela primeira vez no estágio

* Recomendamos que todos os estagiários que atendem no Centro participem da reunião, mesmo os que já participaram de reuniões anteriores.

ERRATA

 

VAGAS ABERTAS (2).png

Ontem publicamos a postagem divulgando a abertura de vagas para atendimento psicológico e deixamos escapar um erro de digitação!
.
Por isso pedimos desculpas! Segue a informação correta!

Quem tiver interesse deverá ligar na segunda-feira, dia 18/03, a partir de 8:30, no número (61)3107-1680. Os acolhimentos serão agendados para o dia 22/03 (sexta-feira).

*As inscrições são realizadas apenas por telefone!*